113_00

SINOPSE
Alex Rogan é um adolescente que investe todo o seu tempo livre quebrando os próprios recordes em Starfighter, seu jogo de fliperama favorito. Certo dia o garoto é contactado por Centauri, um misterioso homem que revela ser o verdadeiro criador daquela máquina, qual tinha como finalidade treinar e recrutar hábeis pilotos para verdadeiras batalhas espaciais. Alex então é levado para um planeta alienígena muito distante da Terra, onde é colocado no front de uma violenta guerra. Lá o rapaz é colocado sob forte pressão, e descobre que suas habilidades não são tão especiais quando vidas reais estão em perigo.

113_01

COMENTÁRIOS
Trinta e cinco anos se passaram e, O Último Guerreiro das Estrelas (The Last Starfighter), que fora sucesso de bilheteria ao redor do mundo, ainda vive no imaginário de sua base de fãs. No Brasil era explorado ao máximo nas contínuas reprises de Sessão da Tarde, numa época onde junto com A História Sem Fim (1984), Krull (1983) e TRON (1982), alimentava o lado lúdico dos jovens bem mais inocentes que os de hoje. O Último Guerreiro das Estrelas é algo tão relevante, que agora mesmo, fim de 2019, existe uma sequência direta sendo escrita e produzida por Gary Whitta, co-roteirista de Rogue One: Uma História Star Wars (2016). Mas o que há de tão bom assim neste clássico de mais de três décadas de vida? E ainda hoje, seria algo para se ver na boa sem se incomodar com sua idade?

113_02

Quando foi lançado em 1984, era o que tinha de melhor em se tratando de efeitos especiais. Seus incríveis feitos só foram conseguidos graças aos recursos tecnológicos do Gray X-MP, o mais poderoso computador disponível na época com seus 16 MB de memória. O que um dia superou até mesmo o icônico TRON, hoje se tornou bastante datado, e vai precisar de muito desprendimento da modernidade para ser aceito pelos mais jovens. Mas sinceramente eu considero que isso não importa tanto, já que o seu maior mérito é sua ideia até hoje exclusiva. Jonathan R. Buetel acertou em cheio quando teve o estalo de mesclar o conto arturiano , com o do maior pontuador num fliperama construído com o único fim de selecionar o maior guerreiro da galáxia. As similaridades de roteiro com a de obras como E.T.: O Extraterrestre (1982), ou os filmes da franquia Star Wars, precisavam ser evitadas, isso fez com que os textos originais sofressem uma série de modificações. O resultado é uma aventura de ficção científica com muita identidade, e mostrando um humor bem espirituoso.

113_03

Seu maior ponto fraco são suas interpretações nada boas, e vamos ser sinceros aqui, atores bons em produções juvenis eram raridade naqueles tempos. Aqui temos Lance Guest, sempre canastrão em seus trabalhos, mas conseguindo ainda um pouco de crédito devido o fator nostálgico daqueles que eram crianças ou jovens adolescentes na época, e trazem alguma simpatia pelo cara. Eu em particular busco compreender qualquer obra considerando seu cenário original, e para a década de oitenta e começo de noventa, O Último Guerreiro das Estrelas é um filme totalmente aceitável. E acredite, para mim, ainda muito compensador de assistir, mesmo considerando todas as suas limitações e problemas.

113_04

LENDAS URBANAS
Muitas histórias e lendas urbanas se escondem atrás de O Último Guerreiro das Estrelas, desde um protótipo de jogo baseado no filme sendo feito para o Atari 5200 e que nunca deu as caras, até que o filme era baseado em Polybius, um outro famigerado jogo que causaria convulsões, amnésia e pesadelos naqueles que jogassem. Polybius seria um jogo fazia parte de um projeto secreto do governo americano para coletar “dados extrassensoriais” dos jogadores, e teria sido desenvolvido nos subúrbios de Portland, Oregon, em 1981. No fim das contas ninguém nunca conseguiu provar nada dessas histórias, mas que a criatividade do povo é algo sem limites, isso é.

113_05

ELENCO E FICHA TÉCNICA
Lance Guest, Dan O’Herlihy, Catherine Mary Stewart, Norman Snow, Robert Preston, Kay E. Kuter, Barbara Bosson, Chris Hebert, Dan Mason, Vernon Washington, John O’Leary, George McDaniel, Adrienne Barbeau, Heather Locklear, Scott Dunlop e Peggy Pope compõem o elenco. Escrito por Jonathan R. Betuel, O Último Guerreiro das Estrelas é uma produção estadunidense de 1984 dirigida por Nick Castle. A aventura de ficção científica tem como produtores Gary Adelson e Edward O. Denault, que usam o estúdios da Universal Pictures. Seu orçamento é estimado em 15 milhões de dólares, e sua receita final de aproximadamente 28 milhões.

CONCLUSÃO
Quem já passou dos trinta com certeza conhece essa pérola da aventura e ficção científica que fazia todo moleque sonhar em passar pela mesma surreal situação. Para quem não conhece ainda, fica a dica para compreender o que era sinônimo de diversão para seus pais e tios. Procurem entender que as tentativas de efeitos especiais que com certeza te arrancará risos, um dia foram as coisas mais maravilhosas para alguém. O mundo evolui, e embora a arte faça o mesmo, cada uma delas tem sua posição contextual nas diferentes épocas.

Barra Divisória

assinatura_dan

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s