004_00

A angústia de passar ridículo é algo que incomoda muita gente, ninguém quer o estigma de parecer indigno de confiança, ou mesmo virar motivo de piadas, e um dos ápices desse medo é revelar possíveis experiências paranormais. Quem não tem uma ou outra história insólita para contar? Acredito que quase todo mundo tenha, mas são raros os que tem coragem de abrir a boca. Tenho cerca de uma dúzia de casos pessoais, quais não contarei de jeito nenhum! Não quero ser taxado como maluco! Já que tenho uma página à zelar, e a reputação de centenas de milhões de seguidores. Mas tenho algo para dizer, não sobre mim e, nem sobre ninguém, mas sobre o entendimento de um fenômeno qual as pessoas deveriam levar um pouco mais à sério. Os OVNI’s! Podem rir. Não ligo.

004_6

Duvido muito que as pessoas que dão aquela risadinha de lado quando surge esse assunto, façam realmente ideia do que estão debochando. Então primeiro é necessário o entendimento do básico, o significado do acrônimo OVNI, que na verdade é a sigla para objeto voador não identificado. O significado é literal e, só bastaria ter a mínima atenção e boa vontade pra interpretar. Na vida quando vemos algo que não podemos definir com segurança o que é, temos tal coisa como “não identificada” e, permanecerá desta maneira até que consigamos uma explicação melhor. Vale para objeto terrestres, aquáticos, o pontinho preto na sopa e, imagine você, até para os objetos voadores. Sensacional, não?!

OVNI

Com o entendimento do que viria ser um OVNI, já temos o início para superarmos um pouco nosso preconceito. Uma vez que aprendemos a obviedade de eles não serem necessariamente isso, aquilo, aquilo outro, e nem um maldito disco voador vindo das Plêiades. Quando vemos qualquer coisa no céu e, temos o conhecimento e meios de definir com segurança não ser qualquer aeronave conhecida, pássaro, inseto, balão, Superman, ou mesmo fenômeno atmosférico ou astronômico, nessa condição, sim, temos um autêntico disco voador! Quer dizer, digo, OVNI. Até eu mesmo tenho dificuldade com essas definições, simplesmente não me ouça, você sabe melhor que eu interpretar coisas.

004_03

Conseguimos estabelecer o que não são as coisas, isso é o mais importante. Mas também precisamos definir a nossa forma de pensar em conjunto com isso. As pessoas possuem bagagem cultural, um pacotão cheio de conceitos e preconceitos, qual caso não tenha cuidado, poderá cair numa traiçoeira armadilha, a do viés de confirmação. Isso pode servir para que sejamos precocemente céticos ou crédulos demais, e as duas coisas são bem ruins se almejamos encontrar verdades. Com ceticismo cego iremos investigar com a predisposição de desmascarar algo, e não a de constatar. Podemos alterar, ignorar aspectos do objeto analisado, e chegar numa conclusão equivocada para nossa pesquisa. O mesmo vale se formos crédulos demais. Se entrarmos numa investigação predispostos a encontrar aquilo que desejamos, iremos ver aquilo que nossos olhos querem enxergar, e não necessariamente a realidade. É sim, muito difícil encontrar um ponto médio entre essas duas coisas, mas se faz extremamente necessário caso não queiramos ser observadores medíocres. Vale para tudo em nossa vida, afinal, constantemente estamos analisando e julgado coisas para continuar a seguir frente.

004_7

Porque tanta reflexão em explicar algo tão bobo? Bem, talvez não seja algo tão irrelevante assim. O senso comum é de que o assunto disco voador, como popularmente as pessoas mais simples se referem aos OVNI’s, serem apenas papo furado que as pessoas contam quando não tem nada para falar. Causos que o Seu Zé conta no botequim apenas para arrancar risadas. Mas será mesmo que o que temos é apenas isso? São só histórias mal contadas por narradores indignos de confiança? Sinto informar, mas se você pensa assim, está redondamente enganado. O fenômeno OVNI é identificado e relatado por uma série de instituições sérias. Órgãos que levam o assunto tão a sério, que registram minuciosamente, estudam o fenômeno, catalogam, e deixam oculto do público leigo. Porém de uns anos para cá, governos do mundo inteiro, incluindo o Brasil, vem liberando informações variadas. Perseguições de aeronaves, missões oficiais das forças armadas em regiões com alta incidência do fenômeno, registros de radares, relatórios de pilotos capacitados em identificação, sejam eles civis ou militares, e uma série de outras documentações relacionadas.

004_1

Para não parecer que estou falando coisas no vazio, citarei alguns casos famosos, e que facilmente você encontra mais conteúdo para analisar por conta própria na internet. Temos a Operação Prato, com relatórios e, até mesmo vídeos em Super 8, feitos por militares na década de 70. O prefeito da cidade não conseguindo mais lidar com a situação caótica da cidade, pediu socorro às forças armadas. O caso possui riqueza de detalhes de uma série de testemunhas. Algumas ainda vivas. Os moradores da região se referiam ao fenômeno como ‘chupa-chupa’, por conta dos feixes luminosos que vinham de estranhos objetos voadores e, acertavam as proximidades do peito ou pescoço das vítimas. Os atingidos passavam a apresentar muita fraqueza muscular, tendo até casos extremos de alguns virem à óbito.

Operação Prato

Outro caso que se sustenta em uma série de documentos oficiais, e que nem na sua época fora tentado ocultar, é a conhecida Noite Oficial dos OVNI’s. Ocorrida em 1986, revoadas de proporções gigantescas foram vistas em diversos pontos do país. São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás e Paraná, são os que se tem comprovação reconhecida. E estou falando de registros de radares do CINDACTA I, o Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo, o tipo de coisa séria que não se forja. Caças decolaram das bases militares de Santa Cruz, no Rio de Janeiro, e de Anápolis, no Estado de Goiás, para interceptar os objetos luminosos. O show aéreo se deu durante a noite, e muitos populares conseguiram assistir aquelas cenas duraram cerca de três horas. No dia seguinte o Tenente-Brigadeiro do Ar, Octávio Júlio Moreira Lima, deu uma coletiva de imprensa informando sobre os acontecimentos. Informou que os pilotos perseguiram de forma inútil aqueles objetos, visto que a tecnologia empregada naquelas supostas aeronaves, quais ele enfatizou ter controle inteligente, superavam em muitas vezes as dos F-5 e Mirages empregados na ação. Os jatos não conseguiram ao menos se aproximar para fazer algum reconhecimento visual mais detalhado.

004_4

Memorandos e relatórios oficiais, contavam que algumas tripulações de aeronaves militares durante a Segunda Guerra Mundial, presenciavam constantemente OVNI’s fazendo companhia em suas missões. De um lado os aliados registravam aqueles como sendo possíveis experimentos militares dos nazistas, e do outro, os nazista tinham o entendimento que aquilo certamente vinha dos aliados. Os formatos dos objetos desconhecidos eram dos mais variados, desde pequenos medindo o tamanho de uma maçã, a objetos em forma cilíndrica com dezenas de metros. Os conhecidos Foo Fighters, preencheram todo o período de guerra, e são detalhados em diversos relatórios de ex-combatentes.

004_3

Esses são apenas alguns casos famosos que servem para mostrar que o fenômeno OVNI não se resume apenas à histórias vindas de pessoas humildes, ou simplesmente cascateiros querendo chamar atenção. Existem registros dos mais variados tipos vindos de forças policiais, militares, instituições de monitoramento civis, e de todo tipo de autoridade capacitada em descartar falsos positivos. O assunto sempre foi nebuloso e motivo de ceticismo, mas o que mais contribui para sabotar sua legitimidade, são justamente os que se colocam como interessados em disseminar, e claro, lucrar em cima do assunto. Tratam o fenômeno como mercadoria e até objeto de culto. Temos subcelebridades que se autointitulam ufólogos, e arrogam para si a autoridade num assunto que não existem donos. São editores e donos de grandes revistas do ramo, e responsáveis por populares programas de TV, fazendo um enorme desserviço. É preciso lembrar que o estudo do assunto ufologia (vindo de UFO, termo em inglês para OVNI) não traz conteúdo suficiente para se alimentar constantemente com novidade. Esses caras bombardeiam seus públicos com repetições incessantes, sensacionalismo barato, e até fraudando material para suprir suas programações editoriais. Isso mancha cada vez mais a imagem já bastante queimada de quem estuda à sério o fenômeno.

004_09

Interessante também é a alegação do público cético, que afirma não acontecer mais nada novo relacionado à OVNIs. Que depois do advento e popularização dos smartphones com câmeras superpotentes, ferramenta essa que poderia registrar com qualidade os tais OVNI’s, nada mais apareceu. Usam suas impressão de mundo como bengala argumentativa para reforçar a tese de que tudo nunca passou de bobagem. E isso, sem perceber que a réplica para sua convicção está justamente na palma de suas mãos. Você costumar ver pessoas vidradas no telefone até na hora de atravessar a rua? Sendo assim, não é difícil entender que a maioria das pessoas estejam olhando pra direção errada, caso realmente intencionassem avistar objetos no céu. Então não se trata do fenômeno ter acabado ou diminuído, são as pessoas que andam mais relapsas à essa atividade. E não é só isso, não só por conta da distração os ‘avistadores’ diminuíram, mas pelas cidades estarem cada vez mais iluminadas e com o ar poluído, o que prejudica ainda mais o vislumbre do firmamento. Se você não enxerga direito o céu, você não enxerga o que de incomum pode haver nele.

004_10

A conclusão que chegamos é de que não se pode negar o fenômeno OVNI e simplesmente atribuir ao folclore. Existem fundamentações sólidas para afirmar sua autenticidade. Como já dito, é errado qualquer afirmação do que seja, essa parte sim envolve teorias e falsas convicções. Dizer que sejam naves extraterrestres, viajantes do tempo, fenômenos meteorológicos desconhecidos, ou seja, pressupor qualquer teoria, não deixa de ser interessante. Mas devemos procurar sempre fazer o exercício de não nos levarmos por nossas convicções, e sempre buscar a realidade. A verdade está lá fora.

Barra Divisória

assinatura_dan

2 pensamentos

  1. Ótima narrativa Dan, muito legal esse espaço para que todos tenham oportunidade de colaborar com sua experiências.
    Parabéns.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s